Home | Classificados | Downloads | Fórum | Fotos | Notícias | Técnica | Vídeos
Site Oficial
! - Login | Registe-se


Secções
· Contactos
· Fórums
· Técnica
· Vídeos
Sobre o V.C.L.
· Política de Privacidade
· Pagamento de Quotas
· Novo Sócio
· A nossa Sede...
· Orgãos Directivos
· Protocolos
Pesquisa
Google
Foto do dia

DSC_3859.jpg

Ir para a galeria...
Redes sociais
FacebookTwitter
Login
Username

Password

Ainda não tem uma conta? Pode criar uma aqui. Como utilizador registado, pode configurar o site de acordo com as suas preferências, além de ter outras vantagens exclusivas.
Técnica: Montagem do travão de disco dianteiro, numa PX
Um aumento na segurança da Vespa

Página 2 de 8


Esta é a parte que segura a pinça do travão.

Enquanto no sistema "tambor" temos o cubo a "segurar" todo o mecanismo actuador dos calços, neste apenas fica segura a pinça. Ambos servem de apoio inferior ao amortecedor.

A Polia, essa sim, incluirá o disco. Estamos a olhar para ela do lado oposto ao da imagem anterior. Este lado que tem esse anel de borracha (guarda-pó) fica em contacto com a forqueta propriamente dita, e apoia no veio com aqueles rolamentos de rolos.

Estes rolamentos estão sujeitos a esforços bem menores que os do lado da polia, uma vez que estes apenas asseguram a movimentação do braço oscilante, e os outros suportam a roda em cada rotação que ela dá.

Compreende-se então que aquelas colorações por sobreaquecimento de que vos falei, surjam do lado onde o serviço é mais "pesado"...)



Supus que quem se predispõe a montar um travão de disco certamente já se aventurou a desapertar o volante do sítio... Por isso vou saltar esta explicação.

Depois de aliviado o volante (não precisa de sair mesmo do sítio, basta que se solte da coluna), chega a hora de desapertar as caixas de direcção. Este passo seria desnecessário caso apenas fossemos trocar a polie por outra, mas as minhas grades de esferas estavam todas desfeitas...

Esta chave que estamos a usar não tem nada de mais, é a chave fornecida com os amortecedores da Sebac (para regulação), basta limar um pouco um dos lados (que não se ia usar, de qualquer forma), e fica óptima para os dois efeitos, regular o amortecedor e desapertar/apertar colunas de direcção.

Este é um sistema de porca e contraporca... é importante aliviar a contraporca antes de continuar



Aqui vê-se a contraporca já um bocado desapertada, uma anilha com ar de ferrugem e a porca propriamente dita a ser mexida pela chave. Sendo que esta actua directamente na pressão feita entre a coluna e as grades de esferas da caixa de direcção, não será difícil perceber que se fôr apertada demais irá tornar a direcção pesada e "perra", e desapertado demais ficará muito leve, e com folgas.

Em qualquer dos casos, quando em excesso, prejudicará visivelmente a ciclística, cabendo ao condutor a escolha do aperto que mais lhe agradar.



Aliviada a coluna, está na hora de levantar a vespa...

Ok, seria bem mais profissional com um elevador de vespas, mas além de não termos um, a maioria dos leitores também não terá, e acabará por usar a nossa solução (um macaco hidráulico)



Completamente desapertadas a porca e contra-porca lá de cima, a coluna está livre para sair, caso a vespa seja levantada...



Página anterior Página anterior (1 de 8) | Página seguinte (3 de 8) Página seguinte




Site protegido com o reCAPTCHA e o Google, a política de privacidade e os termos do serviço são aplicáveis.
Copyright © Vespa Clube de Lisboa. Excepto conteúdos publicados pelos utilizadores (propriedade dos próprios).

Página gerada em: 0.21 Segundos